sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Samurai onde Judas perdeu as botas

No domingo passado, a Nirvana quis ir visitar uns parentes dela. Lembrando que ela tem um primo em segundo grau com uns 13 anos e que estava aprendendo xadrez a ultima vez que estive por lá (e dei um Combate de presente), levei um Samurai para ele. Perguntei se ele ainda estava gostando de jogos de tabuleiro e ele disse que adorava jogar War com os amigos, hehehe.

Peguei o Samurai e fui apresentando a ele. Expliquei todas as regras e começamos a jogar. Na primeira partida, fui com calma, e pegando leve na estratégia para não assustar, mesmo assim, venci com maioria em duas figuras e empate na terceira. O Rodrigo ainda estava meio perdido, mas queria jogar mais. Fomos para mais uma partida, onde ainda peguei leve e ele agarrou a
chance. Empatamos com a maioria em uma figura cada, com empate na terceira, venci no desempate.


Fomos então para mais uma partida, e desta vez ele já estava quente. Então também não deixei quieto e mostrei para ele como um pouco de experiência pode fazer diferença, mesmo assim, ele ainda mordeu forte e conseguiu a maioria em uma figura, mas peguei as outras duas, vencendo a terceira partida que jogamos. O melhor de tudo foi a cara de felicidade dele quando disse que poderia ficar com aquela cópia de presente, cinco minutos depois já tinha levado o jogo para casa e estava convidando uns amigos para jogar.

E ainda falou que se eu quiser testar jogos com ele, é só ficar a vontade.

2 comentários:

Cacá disse...

Fala Tiago,

Ainda não tinha conhecido seu blog, gostei do estilo de post...

Percebo que você tá com um filho pequeno também, esse tem sido meu "fator redutor de jogatinas", o meu Arthur tá com 14 meses, e apesar de ter sido um bebê tranquilinho, impede um pouco a saída de casa, mas agora as coisas estão começando a normalizar...

Em breve já vou começar a ensinar a ele o Villa Palleti e o Bandu, afinal empilhar e derrubar peças é com ele mesmo...

Sobre o Samurai, ainda não tive a oportunidade de jogá-lo, mas ví o trabalho da Ceilikan quando o jogo estava à venda no Castelo das Peças... Esperamos ansiosos pelo Tikal...

Bem, abraços teu blog já tá lá nos favoritos... =)

Tiago disse...

Olá Cacá,

Obrigado pelos elogios, o meu blog antes ficava no BGG, mas mudei para cá e alterei bastante o estilo dele também, inspirado por vários blogs de tabuleiro que vi por aí, incluindo o seu, que tem RSS garantido.

O Daniel demora um pouco mais, ele tem apenas três meses e por enquanto mal baba nas peças, mas já jogou Power Grid e Die Macher no colo do papai.

Abraços,